Prof. João Beauclair Palestrante
DEA Intervenção Psicossocioeducativa Universidade de Vigo, Galícia,  Espanha
CapaCapa Meu DiárioMeu Diário TextosTextos E-booksE-books FotosFotos PerfilPerfil Livros à VendaLivros à Venda Livro de VisitasLivro de Visitas ContatoContato LinksLinks
Meu Diário
10/12/2006 13h27
392 dicas bibliográficas sobre o Lúdico, o Jogo, a Brincadeira e a Educação:
392 dicas bibliográficas sobre o Lúdico, o Jogo, a Brincadeira e a Educação:

1. ABERASTURY, A. A criança e seus jogos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.
2. ABRAMOVICH, F. O estranho mundo que se mostra às crianças. São Paulo: Summus, 1983.
3. ABRÃO, J. L. F. A história da psicanálise de crianças no Brasil. São Paulo: Escuta, 2001.
4. ADAMS, Margaret (ed.). Collectible dolls and accessories of twenties and thirties from Sears, Roebuck and Co. Catalogs. Mineola, N.Y.: Dover Publications, Inc., 1986.
5. ADELSIN. Barangandão arco-íris: 36 brinquedos inventados por meninos. Belo Horizonte: Adelsin, 1997.
6. AFFONSO, R. M. L. Ludodiagnóstico. São Paulo: Plêiade, 1995.
7. AGUIAR, J. S. Jogos para o ensino de conceitos: leitura e escrita na pré-escola. Campinas: Papirus, 1998.
8. AJURIAGUERRA, J. e MARCELLI, D. Psicopatologia do jogo. In: ---. Manual de psicopatologia infantil. Porto Alegre: Artes Médicas; São Paulo: Masson, 1986.p. 169-76.
9. ALBERTI, Leon Battista. Matemática lúdica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.
10. ALBUQUERQUE, Irene de. Jogos e recreações matemáticas. Rio de Janeiro: Conquista, 1954. : v. 2 – 3a., 4a. e 5a. séries.
11. ALENCAR, E. S. Como desenvolver o potencial criativo: um guia para a liberação da criatividade em sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1990
12. ALENCAR, E. S. A gerência da criatividade: abrindo janelas para a criatividade pessoal e nas organizações. São Paulo: Markron Books, 1996.
13. ALMEIDA, M. T. P. Jogos divertidos e brinquedos criativos. Petrópolis: Vozes, 2004.
14. ALMEIDA, P. N. Educação lúdica: técnicas e jogos pedagógicos. São Paulo: Loyola, 1994.
15. ALMEIDA, Paulo Nunes. A explosão recreativa dos jogos. São Paulo: Editora Estrutura Ltda., 1977.
16. ALMEIDA, E. Arte lúdica. São Paulo: Edusp, 1997.
17. ALLUÉ, J. M. O grande livro dos jogos. Belo Horizonte: Leitura, 1998.
18. ALTMAN, R. Z. Brincando na história. In: DEL PRIORE, M. (org.) História das crianças no Brasil. 4.ed. São Paulo: Contexto, 2004. p. 231-258
19. ALVES, E. M. S. A ludicidade e o ensino de matemática. Campinas: Papirus, 2001.
20. ALVES, Lynn. Game over: jogos eletrônicos e violência. São Paulo: Futura, 2005.
21. ALVES, P. B. e outros. Brinquedo e atividades cotidianas de crianças em situação de rua: um estudo observacional em Porto Alegre. In : SALÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 9, FEIRA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 6, 1997, Porto Alegre. Livro de resumos. Porto Alegre: UFRGS, 1997. P. 345.
22. AMMANN, R. A terapia do jogo de areia. Sã Paulo: Paulus, 2002.
23. AMADO, J. S. e HASSE, M. Jogos e brinquedos tradicionais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian – Instituto de Apoio a Criança, 1992.
24. ANDRADE, S. G. Teoria e prática de dinâmica de grupo: jogos e exercícios. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999.
25. ANDREA, I. e ALVES, L. Brinquedos: criatividade, pedagogia e ambiente. Lisboa: ed. dos autores, 2001.
26. ANJOS, C.; MOREIRA, J. A. e SOLANO, J. O brinquedo em Portugal. Porto: Civilização, 1997.
27. ANTUNES, C. Manual de técnicas de dinâmica de grupo, sensibilização e ludopedagogia. Petrópolis: Vozes, [s. data]
28. ANTUNES, C. Jogos para a estimulação das inteligências múltiplas. Petrópolis: Vozes, 1999.
29. ANZIEU, A.; PREMMEREUR, C. A. ; DAYMAS, S. El juego en psicoterapia del niño. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva, 2001.
30. ARAÚJO, V. C. O jogo no contexto da educação psicomotora. São Paulo: Cortez, 1992.
31. ARIÉS, P. Pequena contribuição à história dos jogos e brincadeiras. In: ---. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.
32. ARNOLD, P. (ed.) The complete book of indoor: games. 3. ed. Czechoslovakia: Hamlyn, 1983.
33. ARON, A. M. e MILICIC, N. Viver com os outros: programa de desenvolvimento de habilidades sociais. Campinas: Editorial Psy, 1994.
34. ARTS, N. Enciclopedia de los juegos de mesa: una completa colección de todos los juegos de tablero y mesa con explicaciones, normas, trucos y consejos. Barcelona: Ediciones Robinbook, 2000.
35. ATZINGEN, M. C. V. História do brinquedo: para as crianças conhecerem e os adultos lembrarem. São Paulo: Alegre, 2001.
36. AUFRAUVRE, M. R. Aprender a brincar, aprender a viver: jogos e brinquedos para a criança deficiente, opção pedagógica e terapêutica. São Paulo: Manole, 1987. [376 A918A=P]
37. AXLINE, V. M. Ludoterapia: a dinâmica interior da criança. Belo Horizonte: Interlivros, 1980.
38. AZEVEDO, Antonia Cristina Peluso de. Brinquedoteca no diagnóstico e intervenção em dificuldades escolares. Campinas: Editora Alínea, 2004.
39. BACHELARD, G. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1988.
40. BACHELARD, G. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1989.
41. BALLY, Gustav. El juego como expresion de la libertad. México: Fondo de Cultura Economica, 1986.
42. BANDET, J. e SARAZANAS, R. A criança e os brinquedos. Lisboa: Editorial Estampa, 1973. (Col. Técnicas de Educação, 3) [688.7 B214c]
43. BARBOSA, L. Trabalho e dinâmica dos pequenos grupos. 2. Ed. Porto: Afrontamento, 1998.
44. BARROS, M. L. C. Como fazer brinquedos. Rio de Janeiro: Tecnoprint, 1979.
45. BAVA, L. Cuando jugar enferma: um camino de tratamiento terapéutico del jugar compulsivo. Buenos Aires: Ediciones Lumiere, 2004.
46. BEAUCHAMP, A. et al. Como animar um grupo. São Paulo: Loyola, 1980.
47. BENJAMIN, W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. 4. ed. São Paulo: Summus, 1984. ou Editora 34/Duas Cidades, 2002.
48. BERKENBROCK, V. I. Jogos e diversões em grupo: para encontros, festas de família, reuniões, salas de aula e outras ocasiões. Petrópolis: Vozes, 2002.
49. BETTELHEIM, B. Uma vida para seu filho: pais bons o bastante. Rio de Janeiro: Campus, 1988.
50. BIEDERMANN, G. (dir.) Tratado de psicoterapia infantil. Barcelona: Espaxs, 1973. V. 1
51. BOMTEMPO, E. (coord). Psicologia do brinquedo: aspectos teóricos e metodológicos. São Paulo: EDUSP, Nova Stella, 1986. (Coleção Logos)
52. BOMTEMPO, E. Brinquedoteca: o espaço da criança. Idéias, São Paulo, 7: 68-72, 1990.
53. BOMTEMPO, E. Brinquedos: critérios de classificação e análise. Cadernos EDM, São Paulo, 2(2), jun. 1990. (FEUSP)
54. BONAMIGO, E. M. R. e KUDE, V. M. M. Brincar: brincadeira ou coisa séria? Porto Alegre: Educação e Realidade, 1991.
55. BONAMIGO, E. M. R. e KUDE, V. M. M. Ludoteca: por que não se pensou nisto antes? Revista do Professor, Porto Alegre, :5-9, jul./set.1990.
56. BONAMIGO E. M. R. e EIZIRIK, M. F. A importância do brincar para a educação: por uma psicologia social da infância. Porto Alegre: UFRGS, Faculdade de Educação, 1990. Relatório de Pesquisa.
57. BRANDÃO, H. e FROESELER, M. G. O livro dos jogos e das brincadeiras para todas as idades. Belo Horizonte: Leitura, 1997.
58. BRANDÃO DA LUZ, J. H. A imaginação e a criatividade na teoria piagetiana do desenvolvimento da inteligência. Educação e Realidade. Porto Alegre, 19 (1): 61-70, jan./jun. 1994.
59. BRANDES, D. e PHILLIPS, H. Manual de jogos educativos: 140 jogos para professores e animadores de grupos. Lisboa: Moraes, s. d.
60. BRENELLI, R. P. O jogo como espaço para pensar: a construção de noções lógicas e aritméticas. Campinas: Papirus, 1996.
61. BRIGIDANO, Dorotea Agudo e outros. Juegos de todas las culturas: juegos, danzas, música desde una perspectiva intercultural. Barcelona: Inde, 2002.
62. BROICH, J. Jogos para crianças: mais de cem brincadeiras com movimento, tensão e ação. São Paulo: Loyola, 1996.
63. BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: se o importante é competir, o fundamental é cooperar. Santos: Projeto Cooperação, 1998.
64. BROTTO, F. O. Jogos cooperativos: o jogo e o esporte como um exercício de convivência. Santos: Projeto Cooperação, 2001.
65. BROUGÈRE, G. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez Editora, 1994 (col. Questões da nossa época, 43)
66. BROUGÈRE, G. Jogo e Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
67. BROUGÈRE, G. Brinquedos e companhia. São Paulo: Cortez Editora, 2004.
68. BROWN, G. Jogos cooperativos: teoria e prática. São Leopoldo: Sinodal, 1994.
69. BRUNER, J.; JOLLY, A.; SYLVA, K. (ed.) Play: its role in development and evolution. Harmondsworh, Middlesex, England: Peguin Books, 1976.
70. BUJES, M. I. Criança e brinquedo: feitos um para o outro? In: COSTA, M. V. (org.) Estudos culturais em educação. Porto Alegre: Editora da Universidade/ UFRGS, 2000.P. 205-228.
71. BULFINCH, T. O livro de ouro da mitologia: histórias de deuses e heróis. 3. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.
72. BUSATTO, Cléo. Contar e encantar: pequenos segredos da narrativa. Petrópolis: Vozes, 2003.
73. CABRAL, A. Jogos populares portugueses de jovens e adultos. 3. Ed. Lisboa: Editorial Notícias, 1998.
74. CABRAL, A. O jogo no ensino. Lisboa: Editoria Notícias, 2001.
75. CADERNOS DA ACTIVIDADE LÚDICA. Cultura lúdica, tradição e modernidade. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, n.1, jan. 1998.
76. CADERNOS DA ACTIVIDADE LÚDICA. Contextos lúdicos e crianças com necessidades especiais. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, n.2, jun. 1999.
77. CAILLOIS, Roger. O mito e o homem. Lisboa: Edições 70, [s.d.] (Perspectivas do homem) (ed. orig. 1937)
78. CAILLOIS, Roger. O homem e o sagrado. Lisboa: Edições 70, [s.d.] (Perspectivas do homem) (ed. orig. 1950)
79. CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens. Lisboa: Cotovia, 1990. (Ensaios) (ed. orig. 1958, ed. ver. e aum. 1967)
80. CAILLOIS, Roger. Acercamientos a lo imaginário. Santafé de Bogotá: Fondo de Cultura Econômica, 1997. © 1974
81. CÂMARA CASCUDO, Luís da. Dicionário do folclore brasileiro. 9. Ed. São Paulo: Ediouro, s.d.
82. CAMARGO, L. O. L. Educação para o lazer. São Paulo: Moderna, 1998.
83. CAMPOS, M. C. R. O possível e o necessário como eixo da construção do real vistos na situação de um jogo. Psicopedagogia, São Paulo, 12 ( 26 ): 16-20, set. 1993.
84. CARNEIRO, M. A. B. O jogo e suas diferentes concepções. Psicopedagogia, São Paulo, 14(33), 1995.
85. CARSE, James P. Jogos finitos e infinitos: a vida como jogo e possibilidade. Rio de Janeiro: Nova Era, 2003.
86. CARVALHO, A. M. e outros (org.) Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. v. 1 O Brasil que brinca; v. 2 Brincadeiras de todos os tempos.
87. CARVALHO, Alysson e outros (organizadores) . Brincar(es). Belo Horizonte: Editora UFMG, Pró-Reitoria de Extensão UFMG, 2005.
88. CARVALHO, M. I. C. e RUBIANO, M. B. Organização do espaço em Instituições pré-escolares. In: MORAES, Z. (org.) Educação infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez, 1994.
89. CAVALLARI, V. R. e ZACHARIAS, V. Trabalhando com recreação. 3. Ed. São Paulo: Ícone, 1998.
90. CÉLIA, R. Brincar, descobrir, aprender, criar. In: SUKIENNIK, P. B. (org.) O aluno problema: transtornos mentais de crianças e adolescentes. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1996.
91. CHADWICK, M. e TARKY, I. Juegos de razonamiento lógico. Santiago do Chile: Editorial Andrés Bello, 1990
92. CHATEAU, J. O jogo e a criança. São Paulo: Summus, 1987.
93. CHRISTOPHER, Catherine. The complete book of doll making and collecting. 2. ed. Rev. New York, Dover Publications Inc., 1971.
94. CLAVER, B. Escrever com prazer: oficina de produção de textos. Belo Horizonte: Dimensão, 1999.
95. COELHO, B. Contar histórias: uma arte sem idade. São Paulo: Ática, 2003.
96. COHEN, D. e MACKEITH, S. A. El desarollo de la imaginación: los mundos privados de la infancia. Barcelona: Paidós, 1993.
97. COME giocavamo: giochi e giocattoli 1750/1960. Milano: Alinari, 1984.
98. CONDEMARÍN, M. e MILICIC, N. Cada dia um jogo. Campinas: Editorial Psy, 1993.
99. CONTI, L. O brinquedo em casa e na escola: a bi-direcionalidade da transmissão cultural. Porto Alegre: Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento - Instituto de Psicologia - UFRGS, 1996. Dissertação de Mestrado.
100. CORNELL, J. Brincar e aprender com a natureza: guia de atividades para pais e monitores. São Paulo: Melhoramentos; SENAC, 1996.
101. COSTA, I. A. e BAGANHA, F. O fantoche que ajuda a crescer. Rio Tinto/Portugal: Edições Asa, 1989. (Colecção Práticas Pedagógicas)
102. COSTA, A. e SILVA, R. P. (coord.) Ludicidade: o resgate da cidadania através do lúdico. São Paulo: Nestlé, UNESCO, 2001.
103. CSIKSZENTMIHALYI, M. Fluir (flow): uma psicología de lá felicidad. Barcelona: Editorial Kairós, 1997.
104. CURTISS, S. A alegria do movimento na pré-escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1988.
105. CUNHA, N, H. S. Brinquedo, desafio e descoberta: subsídios para utilização e confecção de brinquedos. Rio de Janeiro: FAE, 1994.
106. CUNHA, N. H. S. Brinquedoteca: um mergulho no brincar. 3. Ed. São Paulo: Vetor, 2001.
107. DARBYSHIRE, L. (ed.) The collector’s encyclopedia of toy’s and dolls. London: Grange Books, 1990.
108. DAUDT, P.; SPERB, T. M.; GOMES, W. B. As concepções das crianças sobre o brincar. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, 5(2):91-98, 1992.
109. DE MASI, D. (org.) A emoção e a regra: os grupos criativos na Europa de 1850 a 1950. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.
110. DE MASI, D. O ócio criativo. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.
111. DE MASI, D. Criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.
112. DEACOVE, J. Manual de jogos cooperativos: joguem uns com os outros e não um contra os outros. Santos: Projeto Cooperação, 2002.
113. DESCOMPS, D. Jouets de toujours: far lo boissonièr. Aurillac (France) : Ostal del libre, 1997.
114. DINELLO, Raimundo. El juego : ludotecas. 4. ed. Montevidéu, 2003.
115. DINELLO, Raimundo. Os jogos e as ludotecas. Santa Maria : OMEP/BR/RS/SM ; Pallotti, 2004. (Cadernos Temáticos, 3)
116. DOHME, V. D. 32 idéias divertidas que auxiliam o aprendizado para o ensino fundamental. São Paulo: Informal, 1998.
117. DOHME, V. D. Técnicas de contar histórias. São Paulo: Editora Informal, 2001.
118. DOHME, V. D. Atividades lúdicas na educação: o caminho de tijolos amarelos do aprendizado. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2002. (diss. Mestrado)
119. DOHME, V. D. e DOHME, W. Ensinando a criança a amar a natureza. São Paulo: Editora Informal, 2002.
120. DORION-COUPAL, K. Uma brinquedoteca para você. Montréal: CIDE-OMEP, 1996. (v. 1 - Para poder brincar: a comunidade; v.2 - É hora de brincar!; v. 3 - Brincar sem gastar muito.)
121. DUFLO, C. O jogo de Pascal a Schiller. Porto Alegre: Artmed, 1999.
122. DUVIGNAUD, Jean. El juego del juego. 2. ed. Santafé de Bogotá: Fondo de Cultura Econômica, 1997. © 1980
123. EATON, F. O grande livro das casas de bonecas. Barcelos: Civilização, 1995.
124. ECO, Umberto. Huizinga e o jogo. In: ECO, Umberto. Sobre os espelhos e outros ensaios. São Paulo: Nova Fronteira, 1989. p. 269-285 [ed. Orig. 1985]
125. EFRON, A. M. e outros. A hora do jogo diagnóstica. In: OCAMPO, M. L. S. e outros. O processo psicodiagnóstico e as técnicas projetivas. São Paulo: Martins Fontes, 1986.
126. ELKIND, D. Corrompendo o modo de brincar das crianças. Pátio, Porto Alegre, v. 8, n. 31, ago./out. 2004.
127. ELKONIN, E. Psicologia do jogo. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
128. ERIKSON, E. Brinquedo e razões. In: ---. Infância e sociedade. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.
129. ESPADA, José Pedro. Técnicas de grupo: recursos práticos para a educação. Petrópolis: Vozes, 2005.
130. FAURE, G. e LASCAR, S. O jogo dramático na escola primária. Lisboa: Editorial Estampa, 1982. (Temas Pedagógicos)
131. FEDRIZZI, B. Paisagismo no pátio escolar. Porto Alegre: Editora da Universidade, 1999.
132. FEIX, Eneida. Lazer e cidade na Porto Alegre do início do século XX: a institucionalizaçã o da recreação pública. Porto Alegre, UFRGS, 2003. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento, Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003.
133. FERNANDES, F. O folclore em questão. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003. (1. edição 1977)
134. FERNANDEZ, A. A hora do jogo psicopedagógico: espaço para jogar, espaço para aprender. In:---. A inteligência aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990. p. 165-77.
135. FERNANDEZ, A. Psicopedagogia em psicodrama: morando no brincar. Petrópolis: Vozes, 2001.
136. FERRAN, P. e outros. Na escola do jogo. Lisboa: Editorial Estampa, 1979. (Colecção Técnicas de Educação)
137. FINK, Eugen. Le jeu comme symbole du monde. Paris: Éditions de Minuit, 1966.
138. FIORINI, Héctor Juan. El psiquismo creador. Buenos Aires: Paidós, 1995.
139. FORTUNA, T. R. Psicomotricidade: destaque para o papel fundamental dos jogos. Revista do Professor. Porto Alegre, v. 10, n. 39, p. 5-10, jul./set. 1994.
140. . FORTUNA, T. R.Vamos nos conhecer? Procedimentos favorecem a integração dos componentes de um grupo. Revista do Professor, Porto Alegre, v. 14, n. 53, p. 45-46, jan./mar.1998.
141. FORTUNA, T. R. Conhecendo o grupo: jogos ajudam a estabelecer a interação na sala de aula. Revista do Professor. Porto Alegre, v. 15, n. 57, p. 46-48, jan. / mar. 1999.
142. FORTUNA, T. R.. Sala de aula é lugar de brincar? In: XAVIER, M.L.F. e DALLA ZEN, M.I.H. Planejamento em destaque: análises menos convencionais. Porto Alegre: Mediação, 2000 (Cadernos de Educação Básica, 6) P.147-164.
143. FORTUNA, T. R.. O jogo e a educação: uma experiência na formação do educador. IN: SANTOS, S. M. P. (org.) Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. Petrópolis: Vozes, 2000. P. 73-85.
144. FORTUNA, T. R. Vida e morte do brincar. In: ÁVILA, I. S. (org.) Escola e sala de aula: mitos e ritos. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004. p. 47-59. [publicado anteriormente como FORTUNA, T. R. Vida e morte do brincar. Espaço pedagógico. Passo Fundo, 8 (2): 63-71, dez. 2001. e também como FORTUNA, T. R. Vida e morte do brincar.In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ARTE E EDUCAÇÃO, 15., 2001, Montenegro. Anais...Montenegro: FUNDARTE, 2001. p. 38-46.]
145. FORTUNA, T. R. Formando professores na universidade para brincar. In: SANTOS, S. M. P. (org.) A ludicidade como ciência. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 115-119
146. FORTUNA, T. R. Ensinando a montar – e manter – brinquedotecas: a experiência em assessoria universitária à criação de espaços lúdicos. Resumos da 9a. Conferência Internacional de Ludotecas: Brincar é crescer. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, Instituto de Apoio à Criança, 14 a 17 de maio de 2002. p. 115.
147. FORTUNA, T. R. Papel do brincar: aspectos relevantes a considerar no trabalho lúdico. Revista do Professor, Porto Alegre, n. 18, v. 71, p. 9-14, jul./set. 2002.
148. FORTUNA, T. R. Who wants to play in the university? XV Conferência Mundial da IPA (International Association for Child’s right to play): A cultura e o brincar nos espaços urbanos. São Paulo: IPA/Brasil, 04 a 08 de novembro de 2002. p. 46-47
149. FORTUNA, T. R. Jogo em aula: recurso permite repensar as relações de ensino-aprendizagem . Revista do Professor, Porto Alegre, v. 19, n. 75, p. 15-19, jul./set. 2003.
150. FORTUNA, T. R. O brincar na educação infantil. Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, v.1, n. 3, p.6-9, dez. 2003/mar. 2004.
151. FORTUNA, T. R. Brincar, viver e aprender: educação e ludicidade no hospital. Ciências e Letras: Revista da Faculdade Porto-Alegrense de Educação, Ciências e Letras. Porto Alegre, n. 35, p. 185-201, jan./jun. 2004.
152. FORTUNA, T. R. A reinvenção da infância. Pátio Educação Infantil, Porto Alegre, v.2, n. 6, p.18-21, dez. 2004/mar. 2005.
153. FORTUNA, T. R. Apresentação. In: ANTUNES, H. S. (org.) Trajetória docente: o encontro da teoria com a prática. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Departamento de Metodologia do Ensino, 2005. p. 11-16.
154. FORTUNA, T. R. e BITTENCOURT, A. D. S. Jogo e educação: o que pensam os educadores. In: ANTUNES, H. S. (org.) Trajetória docente: o encontro da teoria com a prática. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Departamento de Metodologia do Ensino, 2005. p. 95-105. [também publicado como FORTUNA, T. R. e BITTENCOURT, A. D. S. Jogo e educação: o que pensam os educadores? Revista Psicopedagogia, v. 20, n. 63, p. 234-242, 2003.]
155. FORTUNA, T. R. e VIEIRA, L. A. Quem quer brincar na universidade? In: MOLL, J. (org.) Múltiplos alfabetismos: diálogos com a escola pública na formação de professores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. p. 81-91.
156. FORTUNA, T. R. Ensinando a montar - e manter – brinquedotecas: a experiência de assessoria universitária na criação de espaços lúdicos. In: MOLL, J. (org.) Múltiplos alfabetismos: diálogos com a escola pública na formação de professores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. p. 93-106.
157. FORTUNA, T. R. A formação lúdica do educador. In: MOLL, J. (org.) Múltiplos alfabetismos: diálogos com a escola pública na formação de professores. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2005. p. 107-121.
158. FRANCIA, A. e MARTÍNEZ, O. Jogos e dinâmicas. Apelação (Portugal): Paulus, 2000. (Colecção Educar para valores, 2)
159. FREIRE, J. B. O jogo: entre o riso e o choro. São Paulo: Editora Autores Associados, 2002.
160. FREUD, A. Psicanálise de crianças. Rio de Janeiro: Imago, 1971.
161. FREUD, S. Escritores criativos e devaneios. Rio de Janeiro: Imago, 1976. (Col. Standard Obras Completas de Sigmund Freud, v. 9) p.147-158.
162. FREUD, S. Além do princípio do prazer. Rio de Janeiro: Imago, 1976. ( Col. Standard Obras Completas de Sigmund Freud, v. 18 ) p. 23-9.
163. FRIEDMANN, A. Dinâmicas criativas: um caminho para a transformação de grupos. Petrópolis: Vozes, 2004.
164. FRIEDMANN, A. A arte de brincar. Petrópolis: Vozes, 2003.
165. FRIEDMANN, A. (org.) O direito de brincar. São Paulo: Scritta, 1992.
166. FRIEDMANN, A. Brincar, crescer e aprender: o resgate do jogo infantil. São Paulo: Moderna, 1996.
167. FRITZEN, S. J. Jogos dirigidos para grupos, recreação e aulas de educação física. Petrópolis: Vozes, 1981.
168. FRITZEN, S. J. Exercícios práticos de dinâmica de grupo. Petrópolis: Vozes, 1981. v. 1 e 2
169. GALLINO, Tilde Giani. O mundo imaginário das crianças: no princípio era o ursinho. Porto: Civilização, 1996.
170. GALLINO, Tilde Giani. Il bambino e i suoi doppi: l’ombra e i compagni immaginari nello sviluppo del Sé. Torino: Bollati Boringhieri, 1993.
171. GARFELLA, P. R. e MARTIN, R. L. El juego como recurso educativo: guía antológica. Valencia: Tirant lo Blanch, 1999.
172. GILLIG, Jean-Marie. El cuento en pedagogía y en reeducación. México: Fondo de Cultura Económica, 2001.
173. GIORGI, M. e SOMALVICO, H. Bambole: conoscerle e collezionarle (i marchi e le valutazioni) . Rimini: Idea Libri, 1999.
174. GODOY, L. Os jogos olímpicos na Grécia Antiga. São Paulo: Editora Nova Alexandria, 1996.
175. GOLBERT, C. S. Jogos Athurma 2: matemática nas séries inicias - o sistema decimal de numeração. Porto Alegre: Mediação, 2000.
176. GOTTFRIED, A. e BROWN, C. C. Play interactions: the contribution of play materials and parental involvement to children's development. Massachusetts : Lexington Books, 1986. (Proccedings of the eleventh Johnson & Johnson Pediatric Round Table)
177. GRANATO, M. A. G.; ROTELLI, M. R. T.; BATISTA, E. L.El juego en el proceso de aprendizaje: capacitación y perfeccionamiento docente. Buenos Aires: Editorial Stella; Ediciones La Crujía , 2004.
178. GREENFIELD, P. M. O desenvolvimento do raciocínio na era da informática: os efeitos da tv, computadores e videogames. São Paulo: Summus, 1988.
179. GRÜSNPUM, H. Distúrbios da sociabilidade: o jogo. In: ---. Distúrbios neuróticos da criança. 4. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1985.p. 296- 8.
180. GRÜSNPUM, H. Psicoterapia lúdica de grupos com crianças. São Paulo: Atheneu, 1997.
181. GUERRA, M. Recreação e lazer. 5. ed. Porto Alegre: Sagra DC Luzzatto, 1996.
182. GUILLARMÉ, J. J. Educação e reeducação psicomotoras . Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.
183. GUILLEN, E. Manual de jogos. São Paulo: Flamboyant, 1962.
184. HARTMANN, H. O livro das bonecas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996.
185. HARRIS, Paul. El funcionamiento de la imaginación.Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2005.
186. HARROP, Jane. Toys and games: dolls house do-it-yourself. Devon , UK : David and Charles Book, 2003.
187. HENRIOT, Jacques. Le jeu. Paris: Presses Universitaires de France, 1969.
188. HENRIQUES, A. C. Jogar e compreender: propostas de material pedagógico. Lisboa: Instituto Piaget, s.d.
189. HEYWOOD, C. Uma história da infância. Porto Alegre: Artmed, 2004.
190. HIGUCHI, K. K. RPG: o resgate da história e do narrador. In: CITELLI, A.(coord.) Outras linguagens na escola: publicidade, cinema e TV, rádio, jogos, informática. São Paulo: Cortez, 2000. (Col. Aprender e Ensinar com textos, v. 6) p. 175-211.
191. HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 1993.
192. HOLZMANN, M. E. Jogar é preciso: jogos espontâneo-criativos para famílias e grupos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.
193. HOMO LUDENS. Buenos Aires: Instituto para la Investigación del Juego y la Pedagogia del Juego – Sede Sudamérica; Embajada de Austria en Argentina, v. 1, 1996. Tema do fascículo: El hombre que juega.
194. HORN, C. I.; HARRES, J. S.; POTHIN, J. (org.) Atividades lúdicas para crianças na faixa etária de 0 a 10 anos: uma proposta com materiais de baixo custo. Lajeado: UNIVATES, 2003.
195. HUBER, J. Ocupaciones infantiles. Buenos Aires: Editorial Kapeluz, 1963.
196. INHELDER, B. et al. Das estruturas cognitivas aos procedimentos de descoberta. In: LEITE, L. B. (org.) Piaget e a Escola de Genebra. São Paulo: Cortez, 1987. p. 75-91.
197. IPA – INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR THE CHILD’S RIGHT TO PLAY. El juego: necesidad, art y derecho: compilación de artículos sobre juego. Buenos Aires: Editorial Bonum, 1996.
198. ISAACS, Susan. A natureza e a função da fantasia. In: KLEIN, Melanie e outros. Os progressos da psicanálise. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986. p. 79-135.
199. JACQUIN, G. A educação pelo jogo. São Paulo: Flamboyant, 1960.
200. JALOWITZKI, M. Manual comentado de jogos e técnicas vivenciais. Porto Alegre: Sulina, 1998
201. JOGOS e brincadeiras para fazer e brincar. São Paulo: Textonovo, Centro de cultura Asiática da UNESCO, 1999.
202. JONES, G. Brincando de matar monstros: porque as crianças precisam de fantasia, videogames e violência de faz-de-conta. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2004.
203. COLLOQUE INTERNATIONAL SUR LE JOUET. JOUETS ET OBJETS LUDIQUES. Le champs de la reserche. 1997, Angoulême. Actes... Angoulême: Université Paris-Nord, Centre Universitaire de la Charente , 1997.
204. KAMII, C. e DEVRIES, R. Jogos em grupo na educação infantil: implicações da teoria de Piaget. São Paulo: Trajetória Cultural, 1991.
205. KISHIMOTO, T. Jogos tradicionais infantis: o jogo, a criança, a Educação. Petrópolis: Vozes, 1993.
206. KISHIMOTO, T. O jogo e a Educação Infantil. São Paulo: Pioneira, 1994.
207. KISHIMOTO, T. Jogo, Brinquedo, Brincadeira e Educação. São Paulo: Cortez, 1994.
208. KISHIMOTO, T. (org.) O brincar e suas teorias. São Paulo Pioneira, 1998.
209. KLEIN, M. Psicanálise da criança. São Paulo: Mestre Jou, 1981.
210. KLEIN, M.A psicanálise de hoje: aproximação moderna aos problemas humanos. Rio de Janeiro: Imago, 1970.
211. KLEIN, M. Personificação do brincar das crianças (1929). In: KLEIN, M. Amor, culpa e reparação e outros trabalhos - 1921-1945. Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Obras completas de Melanie Klein, v. 1) p. 228-239.
212. KLEIN, M. A técnica psicanalítica através do brincar: sua história e significado. In: ---. Inveja e gratidão e outros trabalhos (1946-1963). Rio de Janeiro: Imago, 1991. P. 149-168. (Obras Completas de Melanie Klein, v. 3)
213. KNAPE, P. Mais do que um jogo: teoria e prática do jogo em psicoterapia. São Paulo: Agora, 1998.
214. LAFARGUE, P. O direito à preguiça. São Paulo: Claridade, 2003.
215. LARA, Isabel Cristina Machado de. Jogando com a matemática. Catanduva - SP: Editora Rêspel, 2005.
216. LEBOVICI, S. e DIATKINE, R. Significado e função do brinquedo na criança. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.
217. LEBOVICI, S. e SOULÉ, M. El conocimiento del niño a través del psicoanálisis. México: Fondo de Cultura Economica, 1986.
218. LEEMING, J. N Como contruyo yo mismo mis juguetes: 101 juguetes ingeniosos que los niños puedem construirse. Barcelona: José Montesó Editor, 1947.
219. LEGENDRE, A. Effects of spatial arrangement on child/child and child/ caregivers interactions: na ecological expriment in day care center. Anais da 16. Reunião Anual de Psicologia da Sociedade de Psicologia de Ribeirão Preto, 1986, pp. 131-142.
220. LEGENDRE, A. Appropriation par les enfants de l'environnement architectural: ses modalités et ses effets sur les activités dans les grandes sections de crèches. Enfance, 3,: 389-395, 1983.
221. LEGENDRE, A. Transfformation de l'espace d'activités et echanges. Psychologie française, 32 (1/2): 31-43, juin 1987.
222. LEIF, J. e BRUNELLE, L. O jogo pelo jogo: a atividade lúdica na educação de crianças e adolescentes. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.
223. LEMOS, G. S. e RAVANELLO, J.C. Educação física escolar: do lúdico ao agonístico. Revista do professor, Porto Alegre, 9(35):24-8, jul./set.1993.
224. LEONTIEV, A. Os princípios psicológicos da brincadeira pré-escolar. In: VYGOTSKY, L. S. e outros. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone, 1988. p. 119-42.
225. LIMA, E. C. A. S. O jogo e a criança. In: IDÉIAS. A pré-escola e a criança hoje. São Paulo: FDE -Fundação para o Desenvolvimento da Educação, 1988. N.2, 1988.
226. LIMA, E. C. A. S. A atividade da criança na idade pré-escolar. In: IDÉIAS. O jogo e a construção do conhecimento na pré-escola. São Paulo: Fundação para o Desenvolvimento da Educação - FDE, 1990.
227. LINDQUIST, I. A criança no hospital: terapia pelo brinquedo. São Paulo: Scritta, 1993.
228. LOPES, M. G. Jogos na Educação: criar, fazer, jogar. 2. Ed. rev. São Paulo: Cortez, 1999.
229. LOPES, N. Brinquedos infantis: características etárias orientam escolha. Revista do professor, Porto Alegre, 9(35):5-9, jul./set.1993.
230. LOPES, N. Brinquedos e jogos: bases para uma escolha adequada à faixa etária de 0 a 6 anos. Revista do professor, Porto Alegre: 9(34):7-12, abr./jun.1993.
231. LORENIZINI, M. Brincando a brincadeira com a criança deficiente: novos rumos terapêuticos. Barueri: Manole, 2002.
232. MAC GREGOR, C. 150 jogos não-competitivos para crianças: todo mundo ganha. São Paulo: Madras, s.d.
233. MACEDO, Lino de; PETTY, Ana Lúcia Sícoli; PASSOS, Norimar Christe. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005.
234. MACEDO, L. Para uma psicopedagogia construtivista. In: ALENCAR, E. M. S. (org.)Novas contribuições da psicologia aos processos de ensino e aprendizagem. São Paulo: Cortez, 1992. p. 119-140.
235. MACEDO, L. e outros. Quatro cores, senha e dominó: oficinas de jogos em uma perspectiva construtivista e psicopedagógica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.
236. MACEDO, L. Para um discurso das regras na escola ou na psicopedagogia: uma análise construtivista. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, (87): 13-9, nov.1993.
237. MACEDO, L. e outros. Aprender com jogos e situações-problema. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
238. MACHADO, M. M. O brinquedo-sucata e a criança. São Paulo: Loyola, 1994.
239. MACHADO, M. M. A poética do brincar. São Paulo: Loyola, 1998.
240. MACRUZ, F. M. S. e outros. Jogos de cintura. 4. Ed. Petrópolis: Vozes, 2000.
241. MALUF, Ângela Cristina Munhoz. Brincadeiras para sala de aula. Petrópolis: Vozes, 2004.
242. MALUF, A. M. Brincar : prazer e aprendizado. Petrópolis: Vozes, 2003.
243. MANSON, M. História do brinquedo e dos jogos: brincar através dos tempos. Lisboa: Editorial Teorema, 2002.
244. MARCELLINO, N. C. (org.) Lúdico, educação e educação física. Ijuí: Editora Unijuí, 1999.
245. MARCELLINO, N. C. Pedagogia da animação. 4. ed. Campinas: Papirus, 2002. (1. ed. 1989)
246. MARCELLINO, N. C. (org.) Repertório de atividades de recreação e lazer. Campinas: Papirus, 2002. (Coleção Fazer Lazer)
247. MASETTI, M. Soluções de palhaços: transformações na realidade hospitalar. São Paulo: Palas Athena, 1998.
248. MARIOTTI, F. R. O jogo e os jogos. Porto Alegre: Alves Editores, [s.d.]
249. MATURANA, H. e VERDEN-ZÖLLER, G. Amor y juego: fundamentos olvidados de lo humano. Santiago do Chile: Instituto de Terapia Cognitiva, 1993.
250. MEIRA, Ana Marta. A cultura do brincar: a infância contemporânea, o brincar e a cultura no espaço da cidade. Porto Alegre: UFRGS, 2004. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004.
251. MELLO, C. O A interação social na brincadeira de faz-de-conta: uma análise da dimensão metacomunicativa. Porto Alegre: UFRGS, 1994. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1994.
252. MELLO, Vitor Andrade e ALVES JÚNIOR, Edmundo Drummond. Introdução ao lazer. Barueri: Manole, 2003.
253. MENDES, Cláudio Lúcio. Jogos eletrônicos: diversão, poder e subjetivação. Campinas: Papirus, 2006 (Coleção Fazer/Lazer) .
254. MERKH, D. 101 idéias criativas. Campinas: JUMOC, 1995.
255. MICHELET, A. Los útiles de la infancia. Barcelona: Herder, 1977.
256. MILITÃO, R. e A. Jogos, dinâmicas e vivências grupais. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.
257. MIRANDA, D. S. (org.) O parque e a arquitetura: uma proposta lúdica. Campinas: Papirus, 1996.
258. MIRANDA, H. T.; MENEZES, L. C. (org.) Almanaque de criação pedagógica: a aventura da explicação. Petrópolis: Vozes, 2002.
259. MIRANDA, N. 210 jogos infantis. Belo Horizonte: Itatiaia, 1992.
260. MIRANDA, S. 101 atividades recreativas para grupos em viagens de turismo. Campinas: Papirus, 2001.
261. MIRANDA, S. Escrever é divertido: atividades lúdicas de criação literária. Campinas: Papirus, 1999.
262. MORENO, Inês. El juego y los juegos. Buenos Aires: Lúmen, 2005.
263. MORENO, Inês. Todos teremos tiempo: nueva práctica del tiempo libre en el siglo XXI. Buenos Aires: Lúmen, 2005.
264. MOYLES, Janet e col. A excelência do brincar. Porto Alegre: Artmed, 2006.
265. MOYLES, J. Só brincar? O papel do brincar na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002.
266. MUNARI, B. Fantasia: invenção, criatividade e imaginação na comunicação visual. 2. ed. Lisboa: Perspectiva, 1987. (Col. Dimensões, 9)

267. MUSARRA, A. Fabricacion de articulos de cotillon, chascos y fiestas infantiles. Buenos Aires: Editorial Hobby, 1949.
268. MUSARRA, A. Fabricacion de juguetes de madera. Buenos Aires: Editorial Hobby, 1947.
269. NEGRINE, A. Aprendizagem e desenvolvimento infantil: simbolismo e jogo. Porto Alegre: Prodil, 1994. v. 1
270. NEW DIRECTIONS FOR CHILD PLAY. Children's play. Massachusetts : Jossey-Bass Inc., Publishers, n.9, 1980.
271. NUNES, Ângela. No tempo e no espaço: brincadeiras de crianças A’uwê-Xavante. In: SILVA, Aracy Lopes; MACEDO, Ana Vera Lopes da Silva; NUNES, Ângela (org.) Crianças indígenas: ensaios antropológicos. São Paulo: Global, 2002.
272. OFELE, M. R. Miradas lúdicas. Buenos Aires: Editorial Dunken, 2004.
273. OLIVEIRA, P. S. O que é brinquedo? São Paulo: Brasiliense, 1984
274. OLIVEIRA, P. S. (org.) O lúdico na cultura solidária. São Paulo: HUCITEC, 2001. (Coleção Paidéia, 6)
275. OLIVEIRA, V. M. B. O símbolo e o brinquedo. Petrópolis: Vozes, 1994.
276. OLIVEIRA, V. M. B. A brincadeira e o desenho da criança de 0 a 6 anos: uma avaliação psicopedagógica. In: --- e BOSSA, N. A. ( org. ) Avaliação psicopedagógica da criança de zero a seis anos. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 21-56.
277. OLIVEIRA, V. M. B. (org.) O brincar e a criança do nascimento aos seis anos. Petrópolis: Vozes, 2000.
278. OLIVEIRA, V. B. Jogos de regras e solução de problemas. Petrópolis: Vozes, 2004.
279. OLIVEIRA-FORMOSINHO , J. e KISHIMOTO, T. M. (org.) Formação em contexto: uma estratégia de integração. São Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2002.
280. OSHO. Criatividade: liberando sua força interior. São Paulo: Cultrix, 1999.
281. ORTEGA, A. C. O raciocínio da criança no jogo de regras: avaliação e intervenção psicopedagógica. Psicopedagogia , São Paulo: 12 (27): 27-30, dez. 1993.
282. OUTEIRAL, J. O . A criança normal e o brinquedo: um estudo de Psicologia Evolutiva. In: ---. (org.) Clínica Psicanalítica de Crianças e Adolescentes: desenvolvimento, psicopatologia e tratamento. Rio de Janeiro: Revinter, 1998. P. 24-39.
283. OVÍDIO. As metamorfoses. Rio de Janeiro: Ediouro, 1983 (trad. David Jardim Júnior)
284. PADILLA, R.; SLAVUTSKY, A.; BURD, P. Jogo: uma paixão. Porto Alegre: Solivros, 1995.
285. PAÍN, S. Diagnóstico do problema de aprendizagem: hora do jogo. In: ---. Diagnóstico e tratamento dos problemas de aprendizagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.
286. PAIS, N.; SANTOS, L.; VIEGAS, F. (ed.) Contexto lúdicos e crianças com necessidades especiais. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian – Instituto de Apoio à Criança, 1999. (Cadernos da Atividade Lúdica, 2)
287. PASSOS, A. Bonecos de Santo Aleixo: as marionetas em Portugal nos séculos XVI a XVIII e a sua influência nos títeres alentejanos. CENDREV-Centro Dramático de Évora: Évora, [1999]
288. PETOT, J. M. A descoberta da técnica do brincar e suas conseqüências. In: ---. Melanie Klein I. São Paulo: Perspectiva, 1991. P. 79-132.
289. PHILLIPS, F. J. Play. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.
290. PIAGET, J. A formação do símbolo: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

291. PIAGET, J. O juízo moral na criança. 2. ed. São Paulo: Summus, 1994. ed. orig. 1932)
292. PIAGET, J. e INHELDER, B. A função semiótica ou simbólica. In: ---. A psicologia da criança. Lisboa: Moraes, 1979.
293. PIMENTEL, F. e RABELO, V. 268 jogos infantis. Belo Horizonte, Rio de Janeiro: Villa Rica, 1991.
294. PISANO, J. C. Manual de juegos para jovenes y no tan jovenes. Buenos Aires: Bonum, 1990.
295. POÇAS, I. M. Jogos estimulam a aprendizagem. Revista do professor, Porto Alegre, 8 (29): 23, jan./mar. 1992.
296. POÇAS, I. M. Brincando se aprende: o fascínio dos jogos. Revista do professor, Porto Alegre, 9(33):19, jan./mar. 1993.
297. PORTO, C. L. Brinquedo e brincadeira na brinquedoteca. In: KRAMER, S. e LEITE, M. I. (org.) Infância e produção cultural. Campinas: Papirus, 1998. P. 171-198.
298. PORTO, M. B. e BORGES, J. D. Brincando com o tempo: um resgate divertido. Porto Alegre: Movimento Tradicionalista Gaúcho, 2003.
299. PUIG, M. J. e TRILLA, J. A pedagogia do ócio. 2. edição. Porto Alegre: Artmed, 2004.
300. RAMIREZ, J. L. R.; MARTINEZ, J. M. (coord.) Diversas miradas sobre el juego. México: Editorial Tierra Firme, 2000.
301. RAMOS, J. R. S. Dinâmicas, brincadeiras e jogos educativos. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.
302. RAMOS, T. El joc. Revista Infància: Revista de La Associación de Maestros Rosa Sensat, Barcelona, 127: 6-14, jul./ago. 2002
303. RAMOS, T. El juego. Revista Infància: Revista de La Associación de Maestros Rosa Sensat, Barcelona, 77: 4-10, enero/feb. 2003.
304. RECASENS, M. Como jogar com a linguagem. Lisboa: Plátano, s. d.
305. REDIN, E. O espaço e o tempo da criança: se der tempo a gente brinca! Porto Alegre: Mediação, 1998. (Cadernos de Educação Infantil, v. 6)
306. RETSCHITZKI, J. et al. Étude cognitive et genétique des styles de jeu et des stratégies des jouers d'awélé. Archives de Psychologie, Genéve, (54): 307-340, 1986.
307. RIBEIRO, M. M. Saber brincar. Belo Horizonte: Dimensão, 1997.
308. RICE, Chris e Melanie. As crianças na história: modos de vida em diferentes épocas e lugares. 2. Ed. São Paulo: Ática, 1999.
309. RIGOL, P. N. El ocio y las edades: estilo de vida y oferta lúdica. Barcelona: Hacer, 1993.
310. RIZZO, G. Jogos inteligentes: a construção do raciocínio na escola natural. Rio de Janeiro: Bertrand do Brasil, 1996.
311. ROCKWELL, R.; WILLIAMS, R.; SHERWOOD, E. Todos têm um corpo: ciências da cabeça aos pés. Lisboa: Instituto Piaget, s. d.
312. RODARI, G. Gramática da fantasia. São Paulo: Summus, 1982.
313. RODRIGUES, R. P. (org.) Brincalhão: uma brinquedoteca itinerante. Petrópolis: Vozes, 2000.
314. RODULFO, R. O brincar e o significante: um estudo psicanalítico sobre a constituição precoce. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.
315. ROLIM, L. C. Educação e lazer. São Paulo: Ática, 1989.
316. ROSAMILHA, N. Psicologia do jogo e aprendizagem infantil. São Paulo: Pioneira, 1979.
317. ROZA, E. S. E agora eu era o herói: o brincar na teoria psicanalítica. In: ROZA, E. S e REIS, E. S. Da análise da infância ao infantil na análise. Rio de Janeiro: Contracapa Livraria, 1997.
318. ROZA, E. S. Um desafio às regras do jogo: o brincar como proposta de redefinição do tratamento da criança hospitalizada. In: ROZA, E. S e REIS, E. S. Da análise da infância ao infantil na análise. Rio de Janeiro: Contracapa Livraria, 1997.
319. ROZA, E. S. Quando brincar é dizer: a experiência psicanalítica na infância. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 1999.
320. RUBIANO, M. R. B. Suportes ambientais e organização social de crianças em creche. 1990. Tese (Doutorado em Ciências - Psicologia) Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.
321. RUBINSTEIN, E. Utilização do jogo e da brincadeira em psicopedagogia: uma abordagem clínica . Psicopedagogia, São Paulo, 10 (21): 15-19, jan./jul. 1991.
322. RUÍZ, Jorge Fernando. Teoria de juegos: su aplicación en la economía. México: El Colegio de México, 2002.
323. KUSHKOFF, D. Um jogo chamado futuro: como a cultura dos garotos pode nos ensinar a sobreviver na era do caos. Rio de Janeiro: Revan, 1999.
324. RUSSEL. B. O elogio ao ócio. Rio de Janeiro: Sextante, 2002.
325. SÁ, E. Psicologia dos pais e do brincar. 2. Ed. Lisboa: Fim de Século, 1995.
326. SÁ, Neusa Maria Carlan. O lúdico na ciranda da vida adulta. Porto Alegre, UNISINOS, 2005. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale dos Sinos, 2005.
327. SALIS, V. D. Ócio criador, trabalho e saúde. São Paulo: Editora Claridade, 2004.
328. SALUM E MORAES, Maria de Lima e CARVALHO, Ana Maria. Brincar: uma revisão de algumas concepções clássicas. Boletim de Psicologia, 37(86):1-23, 1987.
329. SANTA ROSA, N. S. Brinquedos e brincadeiras. São Paulo: Moderna, 2001. (Coleção Artes e Raízes)
330. SANTIN, S. Educação física: da alegria do lúdico à opressão do rendimento. 3a. ed. rev.e ampl. Porto Alegre: EST Edições, 2001.
331. SANTIN, S. Temas malditos. Porto Alegre: EST Edições, 2002.
332. SANTOS, Elder Cerqueira. Um estudo sobre a brincadeira entre crianças em situação de rua. Porto Alegre: UFRGS, 2004. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2004.
333. SANTOS, V. L. B. Brincadeira e conhecimento: do faz-de-conta à representação teatral. Porto Alegre: Mediação, 2002. (Coleção Educação e Arte, 1)
334. SANTOS, S. M. P. (org.) O lúdico na formação do educador. Petrópolis: Vozes, 1997.
335. SANTOS, S. M. P. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis: Vozes, 1997.
336. SANTOS, S. M. P. Brinquedoteca: sucata vira brinquedo. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
337. SANTOS, S. M. P. Brinquedo e infância: um guia para pais e educadores em creches. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.
338. SANTOS, A. Aspectos psicopedagógicos da atividade lúdica. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, 1991. (Cadernos IAC, 3)
339. SANTOS, L.; JORGE, A.; ANTUNES, I. (ed.) Comentários à carta da criança hospitalizada. Lisboa: Instituto de Apoio à Criança, 2000.
340. SARLÉ, P. M. Juego y aprendizaje escolar : los rasgos del juego en la educación infantil. Buenos Aires: Ediciones Novedades Educativas, 2001.
341. SCHEINES, G. Juegos inocentes, juegos terribles. Buenos Aires: Editorial Universitária de Buenos Aires, 1998.
342. SCHILLER, P. e ROSSANO, J. 100 coisas maravilhosas para manter as crianças ocupadas e diverti-las. São Paulo: Paulus, 1997.
343. SCHWARTZMAN, G. M. Dinâmica lúdica: novos olhares. Barueri: Manole, 2004.
344. SCHWARTZMAN, Helen B. Transformations: the antropology of children's play. New York, Plenum, 1978.

345. SHERIDAN, M. D. Brincadeiras espontâneas na primeira infância: do nascimento aos seis anos. São Paulo: Manole, 1990.
346. SILVA, D. N. H. Como brincam as crianças surdas. São Paulo: Plexus Editora, 2002.
347. SILVA, M. A.; GARCIA, M. A. L; FERRARI, S. M. Memória e brincadeiras na cidade de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. São Paulo: Cortez; CENPEC, 1989.
348. SIMPÓSIO RPG E EDUCAÇÃO,1., 2002, São Paulo. Anais. São Paulo: Ludus Culturallis; Devir Livraria, 2002.
349. SINKER, M. e outros. Children’s concept of play. Sweden : WRP International (Women Researchers in Play and Disability), 1993
350. SLADE, P. O jogo dramático infantil. São Paulo: Summus, 1978.
351. SPERO, James (ed.). Collectible toys and games of Twenties and Thirties from Sears, Roebuck and Co. Catalogs. Mineola, N.Y.: Dover Publications, Inc., 1988.
352. SOLÉ, Maria de Borja i Solé. El juego infantil (organización de las ludotecas). Barcelona: Oikos-tau, 1980.
353. SOLÉ, Maria de Borja i Solé. El joc, eina pedagógica a Catalunya. 2. ed. Barcelona: Colleció Nadal, [s. d]
354. SOLÉ, Maria de Borja i Solé. Les ludoteques: joguines i societat. Barcelona: Rosa Sensat, 1982. (Estudis, 62).
355. SOUZA, R. P. (coord.) Brinquedos. In: ---. Nossos filhos: a eterna preocupação. Porto Alegre: Globo, 1978.
356. STAREPRAVO, Ana Ruth. Jogos para ensinar e aprender matemática. Curitiba: Coração Brasil Editora, 2006.
357. STEINBERG, S. e KINCHELOE, J. (org.) Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.
358. STEVENS, J. Tornar-se presente: experimentos de crescimento em gestalt- terapia. São Paulo: Summus, 1977.
359. STOPPA, E. A. Acampamento de férias. Campinas: Papirus, 1999.
360. SPODEK, B. e SARACHO, O. N. A aprendizagem por meio da brincadeira. Ensinando crianças de três a oito anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998. P. 209-229.
361. TANDÉN Didáctica de la Educación Física. Barcelona: Editorial Graó, v.10, enero-marzo 2003. Tema do fascículo: El placer de jugar, el placer de educar.
362. TAVARES, R. M. M. Brinquedos e brincadeiras: patrimônio cultural da humanidade. Campinas: Pontes, UNESCO, 2004.
363. TERR, L. El juego: por qué los adultos necesitan jugar. Barcelona: Paidós, 2000.
364. TOCA, Manuel Gutiérrez. Juegos ecológicos con piedras y palos. Barcelona: Inde, 2004.
365. TOSA, M. Effetto bambola: storia, técnica, collezionismo. 2. ed. Milano: Idealibri, 1992.
366. TOSA, M. Bambole: la collezioni. Milano: Frabri Rizzoli Grande Opera, 1993.
367. TOSA, Marco. Barbie: i mille volti di um mito. Milano: Mondatori, 1997.
368. UNESCO. El niño y el juego: planteamientos teóricos y aplicaciones pedagógicas. Paris, 1980. (Estudios y documentos de educación, 34 )
369. VALLARDI, A. Guide Miller di antiquariato: Bambole. Hong Kong: Garzanti Editore, 1993.
370. VANNI, Carlos Felício e MARCHEZI, Suely R. Psicogênese das regras do jogo. Estudos cognitivos, Araraquara, UNESP - FFCL, Araraquara, 1 (2) dez. 1976.
371. VALEROS, J. El jugar del analista. Buenos Aires: Fondo de Cultura Economica, 1997. (Colección de Psicologia)
372. VASCONCELLOS, V. M. R. Casinha de boneca: espaço coletivo como ambiente de desenvolvimento infantil. P. 221-228 [s.d.t.]
373. VENÂNCIO, Silvana e FREIRE, João Batista (org.). O jogo dentro e fora da escola. Campinas : Autores Associados, 2005.
374. VIAL, J. Jeu et éducation: les ludothèques. Paris: Presses Universitaires de France, 1981.
375. VICTORIA, L. A. Dicionário básico de mitologia: Grécia, Roma, Egito. Rio de Janeiro: Ediouro, 2000.
376. VIEIRA, A. G. O brinquedo simbólico como narrativa. Porto Alegre: Curso de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento - Instituto de Psicologia - UFRGS, 1997.
377. VILA, L. Ecojuegos: actividades recreativas y educativas con la ecología. Buenos Aires: Bonum, 2001.
378. VILLA, G. e MÜLLER, M. Manual de juegos: para los más pequeños (de 6 meses a 6 anos). Buenos Aires: Bonum, 1986.
379. VITELLESCHI, S. G. Aprender jugando desde las actitudes sociales. Buenos Aires: Bonum, 1993.
380. VITELLESCHI, S. G. Aprender jugando con la naturaleza. Buenos Aires: Bonum, 2001.
381. VON FRANZ, Marie-Louise. A sombra e o mal nos contos de fadas. São Paulo: Paulus, 1985.
382. VILLA, Roberto Secades e CANAL, Ana Villa. El juego patológico: prevención, evaluación y tratamiento en la adolescencia. Madrid: Pirámide, 1998.
383. VYGOTSKY, L. S. O papel do brinquedo no desenvolvimento. In: ---. A formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991. p. 105-118
384. WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. São Paulo: Cortez, 1995. (Coleção Questões da Nossa Época, v.48)
385. WAICHMAN, P. Tempo livre e recreação. São Paulo: Papirus, 1997.
386. WASSERMANN, S. Brincadeiras sérias na escola primária. Lisboa: Instituto Piaget, s.d.
387. WIERTSEMA, H. Cem jogos de movimento. Porto: Edições Asa, 1999. (coleção Práticas Pedagógicas)
388. WILLIANS, A. Temas proibidos: ações estratégicas para grupos. São Paulo: Agora, 1998.
389. WINNICOTT, D. W. A criança e o seu mundo. 6. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.
390. WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975.
391. YOZO, R. Y. 100 jogos para grupos. São Paulo: Ágora, 1996.
392. ZASLAVSKY, C. Jogos e atividades matemáticas do mundo inteiro: diversão multicultural para idades de 8 a 12 anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.


Seleção: Professora Tânia Ramos Fortuna
Enviada por Eliana Silva

Publicado por Joao Beauclair em 10/12/2006 às 13h27